Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

A empresa vai receber, este ano, entre 20 e 30 estagiários de Economia,nerd Gestão e Engenharia.

Se é bom aluno e finalista ou recém-licenciado em Economia, Gestão ou Engenharia e quer estagiar numa grande empresa, a Sonae pode ser uma possibilidade. Este ano, a empresa conta receber entre 20 e 30 recém-licenciados, que receberão uma remuneração que "varia de candidato para candidato", segundo fonte dos recursos humanos da Sonae. Do que precisa para se candidatar, além das boas notas no currículo? Ambição, capacidade de liderança, espírito de equipa, criatividade e flexibilidade. São as qualidades eleitas pela empresa como as que mais valoriza quando procura os seus talentos.

Como forma de ir ao encontro dos possíveis futuros talentos, a empresa resolveu apostar na Internet e criou a Rede Contacto (em www.programacontactosonae.com), onde os jovens se podem inscrever.

Vídeo do Dia Contacto Sonae - 4 de Março 2011

O Programa Contacto é o principal programa de estágios da Sonae, que, este ano, recebeu mais de dez mil candidaturas de alunos e recém-licenciados de 150 universidades e escolas de negócios nacionais e internacionais. Depois desta fase de inscrição, são seleccionadas algumas dezenas para o Dia Contacto e desses são depois escolhidos os que vão mesmo estagiar na empresa liderada por Paulo Azevedo. Em 2011, foram seleccionadas cerca de 60 estudantes finalistas para estarem presentes no Dia Contacto, que decorreu em Março, e falta agora escolher os eleitos que vão ter direito a estágio.

De qualquer forma, a Sonae incentiva os finalistas a candidatarem-se a estágios, este ano, mesmo que não tenham estado no Dia Contacto, uma vez que "são vários os casos de de jovens que apesar de não terem sido seleccionados para o Dia Contacto foram recrutados pelas empresas Sonae através da Rede Contacto", de acordo com a mesma fonte.

A possibilidade de integração dos estagiários nos quadros da empresa "varia de ano para ano, podendo atingir os 50% em função das capacidades demonstradas pelos candidatos ‘on the job' e das necessidades da empresa no momento". "Todas as principais empresas do grupo acolheram jovens de elevado potencial e contrataram vários", frisa a mesma fonte.

34 mil jovens já se candidataram

A Sonae já recebeu mais de 34 mil candidaturas ao Programa Contacto, desde 1986, que conduziram à selecção e participação de cerca de 3.900 jovens no Dia Contacto. Algumas centenas destes acabaram por integrar a equipa Sonae. "Todos os anos são concedidos cerca de duas dezenas de estágios nas empresas Sonae, que podem conduzir a posterior emprego efectivo", sublinha a fonte dos recursos humanos da Sonae.

Para este ano de crise e os próximos, a empresa de distribuição tenciona manter o número de estágios, que têm "vindo a aumentar de ano para ano". Empregando mais de 40 mil colaboradores, a Sonae deixa a mensagem a quem se quer candidatar a um estágio dentro das suas portas: é "uma oportunidade de desenvolverem competências, integrarem um grupo multinacional e entrarem no mercado de trabalho".

O próximo Dia Contacto será só em 2012 e a Rede Contacto continuará a ser utilizada como plataforma de relacionamento com os candidatos. No entanto, se ainda quer candidatar-se, este ano, não perde nada em inscrever-se. Apresse-se e impressione!

O que Paulo Azevedo quer dos licenciados que chegam à sua empresa

As universidades precisam de se transformar "em máquinas de inovação". A ideia foi defendida por Paulo Azevedo numa intervenção na Faculdade de Economia do Porto, a semana passada, sobre a "Ligação das Universidades às Empresas". "As universidades devem formar bons cidadãos, assegurar maior multidisciplinariedade e treinar áreas como criatividade, inovação e empreendedorismo". O CEO da Sonae destaca ainda a importância de aprender a trabalhar em equipa: "Não é um dom com que nós nascemos em Portugal. Em média, é mais fácil trabalhar com holandeses, suecos, americanos, ..." Por outro lado, "analisar os erros é quase tão útil como analisar o sucesso", sublinhou. O erro "tem de ser aceite na organização".

Fonte: Económico