Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Atualmente as empresas apenas estão desobrigadas de comunicar ao Fundo de Compensação do Trabalho (FCT) e Fundo de Garantia de hommes 09Compensação do Trabalho (FGCT) os dados dos trabalhadores com contratos de duração inferior a 15 dias, mas o Governo, confederações patronais e UGT chegaram esta terça-feira a acordo para que o prazo mínimo passe a ser de 60 dias. A CGTP não apoiou a mudança.

O alargamento do prazo para o cumprimento desta obrigação por parte das entidades empregadoras foi uma das alterações à lei de 2013 que criou aqueles fundos e que esteve em cima da mesa da reunião de hoje da Concertação Social. O novo prazo de duração dos contratos que vai figurar no novo diploma contou com a posição favorável da UGT e das confederações patronais - ainda que inicialmente alguns dos parceiros exigissem 3 meses.

Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

Está a pensar rescindir o contrato de trabalho e quer saber os seus direitos, de quanto deverá receber por compensação ou férais não gozadas?patrons-03

Foi dispensada e pretende conhecer o valor de indemnização que a entidade patronal lhe deve pagar?

Com este simulador pode igualmente validar se o que o seu empregador lhe está a pagar por ter terminado o contrato laboral está conforme a legislação, ou se está a "fugir" com algum valor.

Esta ferramenta foi desenvolvida pelo Autoridade para as condições do trabalho (ACT) e devolve com segurança o valor de retribuição que tem a haver em caso de fim de contrato.

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Mota Soares diz que não houve acordo com os parceiros sociaisp persos-15

O Governo aprovou esta quinta-feira uma proposta de lei que procede a alterações ao Código do Trabalho, no que diz respeito à cessação do contrato por extinção do posto de trabalho ou por inadaptação, mas sem acordo entre os parceiros sociais.

«O papel do Governo é na Concertação Social é aproximar os parceiros sociais, mas neste caso em concreto não foi possível e, por isso, é para nós muito importante respeitar o espírito original do acordo [tripartido] de 2012», afirmou o ministro do Emprego e Solidariedade Social, Pedro Mota Soares, em conferência de imprensa após a reunião semanal do Conselho de Ministros.

Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

Novas regras na atribuição de compensações por despedimento e fim de contratos a termo alteram osMonkey Business 2 valores a que os trabalhadores têm direito. Saiba o que irá receber se passar por esta situação.

Imagine que o João, que tinha um contrato de trabalho com uma empresa desde 1 de Janeiro de 1995 e usufruía de um vencimento mensal de mil euros, foi despedido em Dezembro último. Se as regras de cálculo para a atribuição de compensações por cessação de contrato de trabalho não tivessem sido alteradas várias vezes desde 2011 - a última das quais no início de Outubro de 2013 -, o João iria receber 19 mil euros.

Votos do utilizador: 4 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela inativa

Novas regras sobrepõem-se à contratação colectiva.eleves-10

O Governo já tem uma proposta para cortar as indemnizações por despedimento para 12 dias por ano, o que implica vários regimes simultâneos. Conheça as novas regras, que ainda estão sujeitas a alterações.

1 - Contratos posteriores a Novembro de 2011
Quem iniciou contrato depois de 1 de Novembro de 2011 tem hoje direito a uma compensação igual a 20 dias de retribuição-base e diuturnidades por ano de casa (ou valor proporcional em caso de fracção do ano). A proposta do Governo prevê que a parcela de 20 dias seja contabilizada no tempo de trabalho até à entrada em vigor da nova lei; a partir daí, contam-se 12 dias por ano. Mantém-se o tecto de 12 salários e de 116.400 euros.