Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

INE publicou dados que caracterizam a experiência educativa e de emprego Cerca de 195 dos jovens demoram 1 ano a encontrar o 1º emprego em Portugaldos jovens.

Quase 32% dos jovens encontraram o primeiro emprego considerado significativo nos três primeiros meses após deixarem a escola. Porém, mais de 19% esperaram mais de 12 meses, avançam os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Entre os 1,4 milhões de jovens entre os 15 e 34 anos que já não estudavam no segundo trimestre do ano, apenas 151 mil já tinha um emprego significativo (ou seja, com duração superior a três meses) quando saiu da escola. Mais de 447 mil demorou três meses a conseguir emprego e, para 270,7 mil jovens foi mesmo necessário esperar 12 meses. Acrescem 106,4 mil que ainda não encontraram emprego e outros 24,4 mil que não procuraram.

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital celebrou ontem um contrato no valor de cerca de 150 mil Call Center da Altice em Oliveira do Hospital vai ficar com capacidade para 200 posiçõeseuros para as obras que vão alterar e adaptar as instalações do Mercado Municipal de Oliveira do Hospital ao pleno funcionamento do Call Center da Altice.

As obras, entregues por ajuste directo à Construtora Santovaiense – Construção Civil e Obras Públicas, Lda, devem estar concluídas no final de Janeiro do próximo ano.

O objectivo é dotar das condições necessárias o espaço utilizado pela Randstad que fornece serviços multinacional francesa que é proprietária da Meo.

Até ao fim deste ano deverá dar trabalho a cerca de 50 colaboradores, prevendo a autarquia que no futuro possa chegar às duas centenas. A empresa, recorde-se, começou a operar em Oliveira do Hospital em 25 de Outubro, contando no imediato com cerca de 30 formandos e ainda 70 formandos.

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O emprego vai evoluir de forma positiva no próximo ano, ainda que a ritmo moderado. Estas são as Manpower prevê criação de emprego em 5% para 2017conclusões do estudo trimestral da ManpowerGroup.

As empresas portuguesas esperam voltar a contratar no próximo ano, sobretudo as que atuam nos setores de turismo e de transportes. A conclusão consta de um estudo da empresa de recursos humanos ManpowerGroup, que aponta para uma criação líquida de emprego na ordem dos 5% em 2017.

Segundo o mais recente ManpowerGroup Employment Outlook Survey, estudo trimestral realizado a nível mundial, “o emprego continuará a aumentar de forma moderada” em Portugal, no primeiro trimestre de 2017. Dos 626 empregadores portugueses inquiridos, 12% prevê aumentar a sua força de trabalho, 7% antecipa reduzi-la e 75% não conta fazer quaisquer alterações, “o que se traduz numa projeção para a criação líquida de emprego de mais 5%”.

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Kevin O’Leary descobriu este fator por acidente, num momento de revisão empresarial em que pediu à sua equipa para avaliar o famille 33que é que as empresas que geravam retorno tinham em comum.

O conhecido investidor do programa Shark Tank, Kevin O’Leary, afirma que as empresas onde investe e que mostram maior retorno são todas geridas por mulheres.

“Eu não tenho atualmente nenhuma empresa dirigida por um homem que supere as dirigidas por mulheres”, afirmou o mesmo no fim do primeiro semestre do ano.

O’Leary tem 27 companhias no seu portfólio, sendo que 55% delas têm CEO’s mulheres.

O empresário chegou mesmo a questionar uma das gestoras para tentar chegar ao porquê de empresas geridas por mulheres estarem a apresentar melhores resultados.

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

PMEs admitem que perdem mais tempo em processos de negócios impressos, diz estudoEmpresas perdem mais tempo com processos em papel

Pesquisa internacional da Xerox revela que metade das empresas pretendem implantar equipamentos e soluções “paper-free” com o auxílio de revendas.

Mais de 80% das pequenas e médias empresas (PMEs), segundo uma pesquisa da Xerox, querem cortar o papel dos processos que envolvam boletos, relatórios de finanças, gerenciamento de formulários legais e de recursos humanos, e lidar com outros processos demorados no dia a dia de trabalho.

A pesquisa “Tendências de 2017 para aumentar a lucratividade e produtividade das PMEs” envolveu mais de 1.000 empresas dos Estados Unidos, Reino Unido, França e Alemanha, e mostra que os entrevistados esperam fazer essa mudança ao longo dos próximos 12 meses.