Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Meta dos 150 mil empregos em perigo nesta legislaturaA crise está a reflectir-se de várias formas nas contas da Segurança Social. Em 2009, o Ministério do Trabalho vai gastar mais 3,6% com o subsídio de desemprego e prevê que as receitas aumentem 5,6% (abaixo de 2008). Viera da Silva afirma ser difícil atingir nesta legislatura a meta de 150 mil novos empregos.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Crise pode gerar mais 20 milhões de desempregadosA crise financeira poderá levar a um aumento de 20 milhões de desempregados no mundo inteiro até ao final de 2009, advertiu o director da Organização Internacional do Trabalho, Juan Somavia.

As estimativas da OIT indicam que "o número de desempregados pode passar de 190 milhões em 2007 para 210 milhões no final de 2009".

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Recálculo da reforma para 40 mil pensionistasCrise faz Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social perder 3,14% desde

São 40 mil os reformados que vão ter a sua pensão recalculada (e aumentada) a partir de Janeiro de 2009. O número foi avançado esta segunda-feira por Vieira da Silva que revelou ainda que a rentabilidade do FEFSS está negativa em 3,14%.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Crise faz desemprego disparar 16% em SetembroIEFP. O número de pessoas que se inscreveram nos centros de emprego no terceiro trimestre é o mais alto desde, pelo menos, 2003. Em Setembro, o crescimento foi de 16,4%, o mais alto dos últimos quatro anos.

Fim de contratos é a causa mais comum de desemprego

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Portugal é o quarto país onde menos se trabalhaMédia influenciada por horário de 35 horas da Função Pública, o segundo mais baixo da Europa

Portugal é dos países com menos horas efectivas de trabalho por semana, de acordo com um estudo da Eurofound. A população empregada do país trabalha menos 1,2 horas do que a média e menos 2,9 do que nos países mais laboriosos.