Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Recrutadora quer assistentes para funções part-time e full-time para o sector das telecomunicações.Randstad recruta assistentes de call center para Braga

A Randstad está a recrutar 100 pessoas para o contact center de Braga, para o atendimento no sector das telecomunicações, informou a recrutadora ao mercado.

Empresa de recursos humanos procura colaboradores para posições em part-time e full-time para assistentes de apoio. Estes terão como principais funções ” resolução de problemas e o esclarecimento de dúvidas” pelo que, entre os requisitos estão “a aptidão para as novas tecnologias e a facilidade de comunicação”.

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

A partir de Outubro os salário deixam de ter cortesFunção Pública recupera salário completo

A partir de ontem os trabalhadores do setor público recuperam o salário completo. Chega ao fim o processo de reversão dos cortes aplicados em 2011 e, assim sendo, os trabalhadores recebem no final do mês a remuneração que recebiam em 2009.

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O líder da associação que representa as empresas do sector dramatiza o impacto na hotelaria, indústria e "contact centers". Em vez de Assistente em Call Centerlimitar, a proposta da esquerda "até pode agravar" a precariedade, contrapõe Afonso Carvalho.

O presidente da Associação Portuguesa das Empresas do Sector Privado de Emprego e de Recursos Humanos (APESPE RH) considera que "não faz sentido nenhum" fixar um tecto para o número de contratos que as empresas de trabalho temporário (ETT) podem celebrar com um trabalhador.

Em declarações ao Negócios, Afonso Carvalho aponta que "para quem gere negócios é completamente inviável" esse limite máximo de renovações. Embora ainda não esteja fechado entre o PS e o Bloco de Esquerda, poderá ser de três, como acontece nos contratos a prazo. "Quem sugere este tipo de alterações à lei, ou nunca geriu um negócio ou não sabe o que se passa nas empresas hoje em dia", acrescenta.

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

A medida que pretende impor um limite ao número de contratos de trabalho temporário é bem-vinda, mas sozinha de pouco vale, avisa o Protestersindicato dos trabalhadores de call-center (STCC), que explica como é que ela pode ser contornada.

"É uma medida muito bonita, mas, na prática, pode não mudar a vida das pessoas". O aviso é deixado pelo Sindicato dos Trabalhadores de Call Center (STCC) em reacção à intenção do Governo e do Bloco de Esquerda (BE) de impor um limite máximo ao número de contratos de trabalho temporário que uma empresa pode fazer com um trabalhador, avançada esta segunda-feira pelo Negócios.

Manuel Afonso, dirigente da estrutura sindical explica que se arrisca a acontecer neste caso o mesmo que já se passa com os trabalhadores que estão com contrato a prazo junto das ETT: "Cada empresa [utilizadora, que recorre ao trabalho temporário] trabalha com duas, três empresas de trabalho temporário (ETT). Quando o limite de três anos começa a aproximar-se, o trabalhador é contratado através de outra ETT", explica, afiançando que "o trabalhador pode passar cinco, seis, dez anos nisto".

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Os progressos no sentido de reduzir a desigualdade salarial entre os géneros nos Estados Unidos desaceleraram desde 2001. Se a mudançaWork Piling Up persistir neste ritmo, as norte-americanas só ganharão o mesmo que os homens por volta de 2152.

As mulheres de Nova Iorque têm a menor desigualdade salarial de todos os 50 estados dos EUA e recebem 89 cêntimos por cada dólar que os seus colegas do sexo masculino ganham.

Dificilmente isso soará como uma boa notícia -- até que se vejam os números de Wyoming. Apelidado de estado igualitário, cujo lema é "igualdade de direitos", Wyoming é um lugar onde ser mulher não compensa muito - na verdade, nesse estado paga-se às mulheres apenas 64 cêntimos por cada dólar do salário de um homem, a pior proporção nos EUA.