Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Dinheiro RemédiosEstudo da DECO indica poupança total de 101 milhões de euros

Doentes e Estado poderiam ter poupado mais de 100 milhões de euros em 2008 se os medicamentos mais consumidos do mercado tivessem sido substituídos por um genérico, mais barato e com a mesma eficácia. A conclusão é da Associação de Defesa do Consumidor (Deco) que pesou a conta dos 60 remédios de marca mais vendidos nas farmácias. O trabalho está publicado na edição de Agosto da revista ‘Teste Saúde’ e dá conta de uma poupança de 74 milhões de euros para os doentes e 26 milhões para o Serviço Nacional de Saúde.

Entre os exemplos referidos pela Deco está o Risidon, o sétimo medicamento mais vendido em Portugal, usado pelos diabéticos. Em 2008 saíram das farmácias 1,4 milhões de embalagens, na apresentação de 60 comprimidos de 1000 miligramas de Risidon. O produto é vendido com receita médica e custa 6,20 euros, 2,37 euros dos quais saem directamente do bolso do doente. As duas alternativas disponíveis no mercado genérico custam apenas 20 cêntimos para o utente. A poupança ultrapassaria os 3,2 milhões de euros.

De acordo com a legislação, se há alternativa genérica, o utente pode optar pelo medicamento mais barato, seja no consultório, seja na farmácia, excepto se o médico não autorizar expressamente essa substituição. De resto, esta possibilidade tem gerado uma guerra entre as farmácias, que pretendem vender o produto mais barato aos utentes, e a Ordem dos Médicos, cujo bastonário admite dar prioridade ao factor técnico em detrimento do factor preço.

DESDE 1990
Os genéricos estão consagrados na lei portuguesa desde 1990. São equivalentes ao medicamento original, têm a mesma eficácia, mas são 20 ou 35% mais baratos.

1,6 mil milhões de euros foram gastos em medicamentos nos primeiros seis meses do ano. Neste período, a quota dos genéricos no mercado foi de 15,18% correspondendo a um gasto de 275, 3 milhões.

1/3 dos 150 medicamentos mais vendidos tem um ou mais genéricos, proporção que tem vindo a aumentar. Em 2001, em 150 medicamentos, só 14 tinham genérico.

CÓPIAS 10 ANOS DEPOIS
Os genéricos só podem ser comercializados dez anos após a autorização inicial do medicamento de referência.

COMPARAÇÃO ENTRE MEDICAMENTO DE MARCA E RESPECTIVO GENÉRICO
ACTONEL (para doenças ósseas)
PVP €33,71 Utente €18,59
Existem 2 alternativas no mercado genérico
PVP €16,86 Utente €5,23
Poupança €5 649 169,12

FLUDEX LP (para a hipertensão)
PVP €9,79 Utente €5,40
Existem 8 alternativas no mercado genérico
PVP €4,90 Utente €1,52
Poupança €5 344 156,80

RISIDON (para diabéticos)
PVP €6,20 Utente €2,37
Alternativa: Existem 2 medicamentos genéricos no mercado
PVP €3,90 Utente €0,20
Poupança €3 236 498,58

BRUFEN (para as dores)
PVP €3,53 Utente €2,39
Alternativa: Existe 1 medicamento genérico no mercado
PVP €1,58 Utente €0,49 Poupança €1 044 804,07


Fonte: http://www.correiodamanha.pt