Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Cavaco Silva esteve hoje reunido com o Conselho de Estado. Presidente daProtester República convocou eleições legislativas antecipadas para 5 de junho.

O Presidente da República anunciou hoje ao país que aceitou o pedido de demissão do primeiro-ministro e que vai dissolver o Parlamento. Cavaco Silva convocou eleições legislativas antecipadas para 5 de junho.

"Estas eleições vão ter lugar num momento crítico", afirmou o Chefe de Estado.

Na comunicação que fez ao país, Cavaco Silva assegurou que o executivo demissionário conta com o seu apoio para "adotar as medidas indispensáveis" para o funcionamento da economia.

O Presidente frisou que apesar da atuação do Governo ficar a partir de agora "circunscrita à prática dos atos estritamente necessários à gestão dos assuntos do Estado", o executivo "não está impedido de praticar os atos necessários à condução dos destinos do país, tanto no plano interno, como no plano externo".

Campanha de verdade e rigor

"O Governo encontra-se em gestão, mas o Estado português permanece, como permanecem as dificuldades do país e as preocupações dos portugueses no seu dia-a-dia. Por isso, o Estado tem de cumprir os seus compromissos e ninguém pode deixar de fazer tudo aquilo que tem de ser feito para proteger o nosso futuro", declarou.  

Cavaco Silva esteve reunido com o Conselho de Estado durante cerca de três horas.

O Presidente da República apelou também a uma campanha eleitoral de "verdade e de rigor", sublinhando que não é tempo de "vender ilusões ou falsas utopias", porque prometer o impossível ou esconder o inadiável é enganar os portugueses.

"A campanha eleitoral deve ser uma campanha de verdade e de rigor. Ninguém deve prometer aquilo que não poderá ser cumprido. Este não é o tempo de vender ilusões ou falsas utopias", afirmou o chefe de Estado.

Considerando que "prometer o impossível ou esconder o inadiável" seria "tentar enganar os portugueses e explorar o seu descontentamento", Cavaco Silva sublinhou, contudo, que confia na "maturidade cívica" do povo.

Fonte: Expresso