Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Morada do condutor será retirada da face da carta e passa a ser usada a que consta na base de Carta de Condução com diversas alterações em 2017dados do cartão do cidadão

Os condutores vão deixar, já a partir de janeiro, de alterar a carta de condução quando mudam de morada, passando a contar a que está registada no cartão do cidadão, foi hoje anunciado.

Esta é uma das medidas de alteração à emissão de títulos de condução, projeto intitulado pelo Governo de "carta sobre rodas" e integrado no programa Simplex, hoje apresentadas no Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT).

Segundo o IMT, a informação relativa à morada do condutor é retirada da face da carta de condução, passando a constar apenas na base de dados do IMT, sendo aquela que consta do cartão do cidadão.

Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

A hipótese está para breve e vai ser possível graças a uma app que a Associação Portuguesa de Seguradores está a desenvolver.Preencher declaração de amigável de acidentes no telemóvel

A aplicação, que pretende facilitar a informação à seguradora de um acidente automóvel e substituir a tradicional declaração amigável em papel, deverá ser lançada até ao final do ano.

Desta forma, os utilizadores vão poder libertar-se de uma série de burocracias, preenchendo alguns dados no telemóvel e anexando algumas fotografias do acidente, avançou José Galamba de Oliveira, presidente da APS, em declarações ao Jornal de Negócios.

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Esta possibilidade é útil no caso de o comprador de um automóvel não ter mudado o registo de propriedade e de o vendedor continuar a ter de Mudar registo de propriedade já é possível pelo vendedorsuportar o Imposto Único de Circulação (IUC) de um carro que já não é seu.

Quem vende o carro já pode mudar o registo de propriedade do veículo para o nome do comprador. Foi hoje publicado em Diário da República o procedimento especial para o registo da propriedade de veículos adquirida por contrato verbal de compra e venda.

Esta possibilidade é particularmente útil, por exemplo, no caso de o comprador de um automóvel não ter mudado o registo de propriedade e de o vendedor continuar a ter de suportar o Imposto Único de Circulação (IUC) - o antigo selo do carro - de um automóvel que já não é seu.

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Maioria aceitou propostas do PS e alargou a medida a 154 mil famílias.Famílias numerosas têm benefícios na compra de carro novo com mais de 5 lugares

A partir do próximo ano, 154 mil famílias vão poder beneficiar de uma redução de 50% do imposto na compra de carros com mais de cinco lugares. A maioria parlamentar PSD/CDS aprovou ontem uma proposta de redução do Imposto Sobre Veículos (ISV) na compra de ligeiros de passageiros, com lotação de mais de cinco lugares para famílias com três ou mais filhos.

A maioria acatou as alterações propostas pelo PS, nomeadamente a isenção de 50% do ISV para famílias com três filhos, quando o PSD/CDS propunham que a medida se aplicasse a famílias só com quatro ou mais dependentes. A proposta final também incluiu o tecto para o benefício fiscal de 7.800 euros, reclamado pelos socialistas.

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Crimes rodoviários obrigam a tirar novo título.Carta de condução com sistema de pontos

Todos os automobilistas vão ter, a partir de 1 de junho de 2016, uma nova carta de condução que funciona por pontos. Quem tiver contraordenações pendentes na carta não fica livre das consequências.

A cada condutor são atribuídos 12 pontos que vão diminuindo à medida que são cometidas infrações. Uma contraordenação grave vale dois pontos, uma muito grave leva a um corte de quatro pontos e os crimes rodoviários representam menos seis na carta.

A contabilidade da perda de pontos é determinante para a cassação da carta quando o condutor só tem quatros pontos, altura em que terá de frequentar aulas de formação rodoviária. Se o condutor ficar só com dois pontos, é obrigado a novo exame de código. Se faltar, perde a carta de condução. Quando são atingidos os 12 pontos em infrações, há perda da carta por um período de dois anos.