Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Apoio irá pagar a diferença entre a renda pedida pelo senhorio e o valor que o inquilino pode suportarEstado vai ajudar no pagamento das rendas às famílias mais carenciadas

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira o subsídio de rendas que será atribuído aos inquilinos que tenham invocado perante o senhorio situação de carência economica durante o processo de atualização da renda. Este subsídio vai pagar a diferença entre a nova renda (equivalente no máximo a um 15 avos do valor patrimonial da casa) e o valor que o arrendatário pode suportar e deverá abranger cerca de 42 mil famíilias, estimando-se que o encargo atinja um "pico" de 51 milhões de euros em 2018.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Com a época balnear à porta é tempo de planear as férias. A escolha do local é o primeiro passo mas depois é preciso decidir onde ficar Casa de férias para alugaralojado. Muitos portugueses optam por alugar casa mas é preciso ter em conta vários factores.

Há vários "sites" na internet onde pode fazer a pesquisa. Quando encontrar uma casa que lhe agrade procure os comentários feitos por quem já lá esteve alojado. Normalmente são bons indicadores. A partir daí há várias questões que deve ter em conta. O Negócios dá-lhe cinco dicas para alugar uma casa de férias.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O prazo para as empresas de água, luz, gás e telefone fixo começarem a comunicar ao fisco os dados dos contratos foi alargado até Arrendamentos ilegais tendem a acabar com cruzamento de informação das finançasnovembro, mas a informação terá de refletir todo o ano de 2015.

Objetivo: permitir à Autoridade Tributária e Aduaneira cruzar dados e detetar eventuais arrendamentos paralelos. As Finanças enviaram já e-mails aos proprietários para que assinalem as rendas na declaração do IRS que está agora a ser entregue.

Entre a informação que as empresas terão de fazer chegar à Autoridade Tributária inclui-se a data de realização do contrato, a morada e ainda as identificações do cliente e do proprietário deste imóvel. Como estas declarações têm obrigatoriamente de ser comunicadas por via eletrónica, será fácil ao fisco fazer a triangulação dos dados entre quem vive na casa e quem a detém e perceber se existe contrato de arrendamento para aquele imóvel e se há ou não emissão de recibos de renda. Na ausência destes dois últimos elementos, o senhorio será chamado a explicar a situação.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Perguntas frequentes – Recibos de renda eletrónicosPerguntas e Respostas aos recibos eletrónicos de renda

Muitas são as questões e dúvidas existentes face ao novo sistema informático de emissão de recibos de renda. Ficam aqui algumas das perguntas/respostas mais comuns que certamente irão esclarecê-lo!


1 - Face à entrada em vigor da Portaria n.o 98-A/2015, de 31 de março, é obrigatória a emissão de recibo de renda eletrónico?
Sim, a obrigação de emissão do recibo de renda eletrónico produz efeitos desde o dia 1 de janeiro de 2015, devendo os recibos de rendas relativos aos meses de janeiro a abril, inclusive, ser passados conjuntamente com o recibo a emitir no mês de maio de 2015.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

No arrendamento, quem faz a retenção na fonte de IRS/IRC é o inquilino, que é quem paga e poderá reter o rendimento do senhorio para o entregar ao Retenção na Fonte no ArrendamentoEstado, mas as regras de aplicação da retenção na fonte e as respectivas taxas variam de acordo com o tipo de Senhorio e Inquilino envolvidos no contrato e essas taxas foram alteradas em 20/10/2012 de acordo com a Lei nº. 55-A/2012 de 29 de Outubro e em Janeiro de 2013 com a Lei n.º 66-B/2012, de 31/12 – Orçamento de Estado 2013 que introduziu uma nova al. e) no n.º 1 do art.º 101º do CIRS.