Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Com os preços a baixar, esta pode ser uma boa altura para comprar habitação. Saiba os passos a seguir no processo.famille-15

As dificuldades económicas têm sido um entrave real e psicológico para quem quer comprar casa. Mas, garantem os agentes imobiliários contactados pelo Diário Económico, esta é uma boa altura para o fazer, apesar das limitações de crédito e dos aumentos de impostos, que reduzem o rendimento das famílias. De acordo com os especialistas do sector, a pressão para vender a casa rapidamente está a levar muitos proprietários a baixar os preços, o que os leva a confirmar que esta será a melhor altura para encontrar bons imóveis a valores mais reduzidos.

Por isso, se está a pensar comprar habitação, o ideal é começar já a informar-se sobre os produtos e serviços disponíveis no mercado. Para ajudar, o Diário Económico indica-lhe as principais mediadoras a que pode recorrer a nível nacional e os produtos de crédito à habitação mais recentes que os principais bancos oferecem.

Mas, antes de qualquer simulação de quanto ficará a pagar pela nova casa , avalie qual será a quantia indicada a despender todos os meses, tendo em conta os seus rendimentos. A Maxfinance, consultora financeira da Remax, presta este tipo de serviços - algo que praticamente todas as principais mediadoras já fazem, começando por fazer esta avaliação mesmo antes de mostrar as casas que tem em carteira.

Já os bancos estão a apertar as malhas de avaliação dos pedidos de crédito para compra de habitação, criando mais restrições. O que significa que a altura é boa para comprar casa, mas com condições. De acordo com Ricardo Sousa, administrador da Century 21 Ibéria, para conseguir agora um empréstimo para comprar casa, precisa de ter, pelo menos, 20% do valor da casa.

Detalhes a ter atenção quando pedir um empréstimo
Quanto mais dinheiro tiver para pagar a sua casa, mais dinheiro os bancos lhe emprestam. Contraditório? Talvez. Mas a explicação é simples: se tiver mais dinheiro, o banco corre menos riscos e pode financiar a compra com mais dinheiro. Ou seja, quanto menor for a diferença entre o valor da avaliação e aquilo que o banco empresta, melhor.

O mesmo se passa com os ‘spreads'. Apesar de estarem mais altos (há casos em que chegam aos 4% para uma taxa variável), os bancos estão abertos a negociar se o risco for menor. Não espere é encontrar ‘spread' de 0% em nenhum banco - isso só antes da crise.

Se tiver todos estes detalhes em atenção, comprar casa vai ser bem mais fácil. Além disso, hoje já existem vários serviços que ajudam a tornar este processo cada vez menos burocrático. Por exemplo, o serviço Casa Pronta facilita todo o processo burocrático. E há cada vez mais ‘sites' de pesquisa especializados em imobiliário - como o Casa Sapo ou o Lar Doce Lar - que ajudam a encontrar a casa desejada.

Um balcão para todas as casas
O Ministério da Justiça disponibilizou um novo serviço ‘online' a que deu o nome Casa Pronta e ao qual pode aceder no ‘site' www.casapronta.pt. O que faz? Permite tratar de todos os papéis e formalidades (incluindo obrigações fiscais) relativos à compra e venda de casa, num único local e sem ir ao notário. Quanto ao certificado energético - obrigatório desde o início do ano passado -, há várias medidadoras e bancos que facilitam o seu acesso. Os preços do serviço variam de acordo com o número de registos e as condições da transacção. A Deco, de acordo com o mesmo ‘site', reconheceu que, no balcão Casa Pronta, há uma significativa redução de custos nas formalidades relativas à compra de casa: em média, poupa-se "60 a 70%".


Mediadoras a que pode recorrer:

Remax
De origem norte-americana, a Remax está em Portugal desde 2000, marcando hoje presença em todo o território. Disponibiliza uma série de serviços, como os saldos, a bolsa de permutas, a venda de casas de luxo e ainda a pesquisa de compradores para o imóvel à venda.
Nº agências: 230
Imóveis à venda: 51.626 (em exclusivo na rede Remax)
Site: www.remax.pt

Era
Também vinda dos EUA, a ERA Portugal abriu a sua primeria agência em 1998. Com Cobertura nacional, mas mais destaque na região a norte de Leiria, disponibiliza, actualmente, um desconto de 100 euros ao cliente que comprar soluções de eficência energética.
Nº agências: 200
Imóveis à venda: 121.000 (em exclusivo e disponíveis noutras redes)
Site: www.era.pt

Century 21
A Century 21, também norte-americana, chegou a Portugal em 2004, com o conceito de ‘one stop shop' (fazer tudo no mesmo local). Para isso têm, entre outras, parcerias com a Home Energy (certificado energético) e com a Urbanos (mudanças), dispondo de preços especiais.
Nº agências: 55 (na Grande Lisboa; em Outubro abre no Porto)
Imóveis à venda: 5.000
Site: www.century21.pt

Square
Mediadora portuguesa criada em 2005, a Square tem apostado na oferta de serviços complementares à compra de casa. Tem um acordo com o BES, com a PT (para instalação do MEO) e ainda com a Home Energy, para a emissão do certificado energético.
Nº agências: 35 lojas (Grande Lisboa, Gaia e Torres Vedras)
Imóveis à venda: 15.000
Site: www.square.pt

Fita Métrica
A Fita Métrica nasceu em 1998 e em 2003 iniciou o processo de franquia. Bem cotada no mercado, estabeleceu parceria com o BPI para o crédito à habitação e ainda com o Benfica, oferecendo uma camisola autografada ou um passe cativo para ver os jogos.
Nº agências: 26 (Grande Lisboa, com lojas em Loures, Lisboa, Estoril, Miraflores, Amadora e Sintra. )
Site: www.fitametrica.pt

Veigas
A Veigas Imobiliária foi fundada em 1997 e aderiu ao regime de ‘franchising' em 2004. Em Março deste ano lançou o serviço "Veigas Outlet - Casas a Preços Únicos", uma bolsa onde concentravam imóveis até 30% mais baixos que o valor de mercado.
Nº agências: 60 (em todo o país)
Imóveis à venda: 10.000
Site: www.fitametrica.pt



Créditos à habitação disponíveis no mercado:

Millennium BCP
O BCP tem três soluções base de crédito à habitação, mas todas elas financiam até 90% da avaliação, a 40 anos, com idade limite de 80 anos e com o mesmo ‘spread' até ao fim do prazo. As taxas indicadas são referentes a um empréstimo de 85 mil euros, numa avaliação de 125 mil euros a um titular de 30 anos.

Prestação indexada: taxa de juro de 3,485%
Prestação mínima: taxa de juro de 3,482%, com possibilidade de carência de capital de seis ou 12 meses (neste exemplo, são os 12 meses)
Taxa fixa 5 anos: taxa de 4,231% (baseada na taxa de referência fixa do Banco, que é de 3,3%)
‘Spread': no ‘site', para as simulações referidas, o valor de referência é 1,9%, mas negociável.
Mais em www.millenniumbcp.pt


Barclays
O Barclays oferece empréstimos a um prazo máximo de 50 anos, até aos 80 anos de idade e financia até a 85% da avaliação da casa. As taxas de juro abaixo indicadas referem-se a um empréstimo de 200 mil euros a 30 anos, com financiamento de 60%, comtemplando ainda a subscrição de vários produtos do banco.

Tradicional: taxa variável (2,438%) ou fixa (2,525%)
Valor residual: prestação mais baixa ao longo do empréstimo, com amortização de 20 ou 30% do valor no final).
Prestação reduzida: Permite pagar juros até 10 anos no início do empréstimo. Pode conjugar-se com a solução Valor Residual até ao fim do prazo.
‘Spread': entre 0,9 e 3,35%
Mais em www.barclays.pt


BES
Também o BES aposta num prazo máximo de 50 anos, até aos 80 anos de idade, com a possibilidade de pagar apenas os juros nos primeiros anos. As taxas aqui referidas, salvo indicação contrária, são para um empréstimo 100 mil euros a 40 anos.

Regime geral: até 90% da avaliação com taxa de 2,702% acrescida de ‘spread' de 1%.
Especiais: para jovens, emprestam até 100% da avaliação a 40 anos e até 95% a 50 anos, com taxa de 2,627% (Euribor a 3 meses). Para séniores, financiam 80 e 90% da avaliação a uma taxa de 1.961% e isentam de seguro de vida.
Taxa fixa: na terceira semana de Agosto, para um contrato a 30 anos, a taxa fixa a dois anos era de 1,316% e a cinco, de 1,878% (mais ‘spread').
‘Spread': entre 1,25% e 4,4%
Mais em www.bes.pt


Santander Totta
O Santander financia por 50 anos, até aos 75 anos de idade, emprestando até 80% da avaliação. Além disso, quem pedir 200 mil euros (ou mais), o ‘spread é agora de 0,35% durante o primeiro ano. As taxas abaixo são para um empréstimo de 150 mil euros a 30 anos para um titular de 30 anos.

Super Crédito taxa variável: taxa de juro a 3,273% (já acrescida de ‘spread')
Super Tranquilo: taxa fixa a cinco anos, de 3,743%
Valor residual: Permite pagar 20 a 30% do empréstimo no final, com taxa de 2,965% e ‘spread' minímo de 1,50%.
Residual Plus: Idade a partir dos 45 e até aos 80 anos, com taxa de 4,230%.
‘Spread': entre 1,50% e 2,40%
Mais em www.santander.pt


CGD
No geral, as soluções da CGD emprestam até 90% da avaliação, a 45 anos e com um máximo de 80 anos de idade. As taxas apresentadas referem-se a um empréstimo de 100 mil euros para um cliente com 30 anos com produtos do banco e com a casa avaliada em 130 mil euros.

Taxas de juro: a CGD tem cinco diferentes - variável, fixa, protegida, prémio e taxa Z que se podem aplicar aos vários produtos de crédito.
T-Fixo: apenas pode usar as taxas variável (2,738%) e a taxa prémio (2,852%).
T-30: Permite pagar 30% no final do empréstimo e ainda pagar apenas os juros durante três anos (período de carência).
Triplex: Permite pagar 30% no final do prazo e pagar apenas os juros durante cinco anos.
‘Spread': entre 1,35% e 4,20%.
Mais em www.cgd.pt


Montepio
O Montepio empresta um mínimo de dez mil euros e até 80% da avaliação a 50 anos e até aos 80 anos de idade. A taxa referida em baixo diz respeito a um financiamento de 85 mil euros a 40 anos, para um titular de 30 anos e um valor de avaliação de 125 mil euros, com spread de 1,95%,

Taxa variável: 3,5472%
Taxa fixa: a 2, 3, 4, 5, 10 e 15 anos; após este período, passa a ter uma taxa variável ou é negociado um novo período de taxa fixa.
Prestações: podem ser fixas (paga o mesmo ao longo do contrato), constantes ou mistas, mas só durante oito anos e quando o banco empresta até 60%.
Produto Habitação Fléxivel: Paga menos no início e entre 10% a 30% no fim.
‘Spread': entre 1,40% a 3,85%,
Mais em www.montepio.pt


BPI
O BPI faz contratos de crédito à habitação por um período máximo de 50 anos, mas apenas com taxa variável. No geral, a idade máxima definida são os 75 anos. Além disso, apesar de ser cada vez menos comum no mercado, conta ainda com soluções para comprar casa em planta.

Prestação mista: a prestação começa por ser muito reduzida e vai crescendo durante os primeiros 10 anos. Neste caso, a taxa de juro é 2,705%, tendo em conta um financiamento de 200 mil euros e 30 anos e emprestando
60% da avaliação.
Período de Carência: durante cinco anos paga apenas os juros, com uma taxa de 2,695% no mesmo período acima referido.
Mais em www.bpi.pt


Banif
O Banif empresta um mínimo de 25 mil euros e até 90% do valor da avaliação a um mínimo de cinco anos e até 40 anos e com idade limite de 75 anos. As taxas aqui referidas dizem respeito a um empréstimo de 160 mil euros a 30 anos, com o banco a emprestar apenas 50% do valor da avaliação e com um spread de 1,40%.

Crédito Habitação Modular: solução comum com TAE de 2,908% (taxa variável ou fixa)
Crédito Jovem: taxa variável de 2,574% para um prazo mínimo de 20 anos e máximo de 50 anos.
Crédito Sénior: taxa variável de 3,261% para titulares com mais de 45 anos. Emprestam um mínimo de 75 mil euros e até 75% da avaliação a um minimo de 10 anos e até 30 anos, com limite de idade até aos 80 anos.
Mais em www.banif.pt

Fonte: Económico


N.R.: Apesar de não estar no artigo do económico, recomendamos o BBVA para crédito habitação, devido a uma campanha bombástica de oferta de €200 nos primeiros 12 meses do empréstimo! Consulte as condições desta campanha denominada Adaptamo-nos.