Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Mediadores dizem que há muita gente a desistir de comprar e até a recusar créditos já aprovados pelos bancosorange roof house

A venda de casas deverá atingir em 2012 o valor mais baixo dos últimos 20 anos, segundo estimativas da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) citadas pela Lusa.

O presidente da APEMIP, Luís Lima, disse que «desde 1992 que não se transacionavam tão poucos imóveis». O responsável está «convencido que este ano vai ser pior do que 2011», ano em que o mercado imobiliário registou uma queda superior a 20%.

Apesar de o mercado imobiliário ter dado mostras de alguma recuperação no primeiro trimestre deste ano, face ao mesmo período de 2011, os segundo e terceiro trimestres estão a registar vendas muito baixas, números que permitem à associação avançar já com estimativas pessimistas.

«Só com um milagre na economia do país é que este ano não fecha pior ainda do que 2011», afirmou Luís Lima, explicando que o número de vendas de imóveis revelam já que entre abril e setembro as vendas estão muito abaixo das dos segundo e terceiro trimestres do ano passado.

Luís Lima está convencido que «este ano vai ser pior ainda» porque «nem que o quarto trimestre registe recuperação» se consegue recuperar a quebra nas vendas dos últimos meses.

«As empresas [imobiliárias] têm de se reajustar, fazer mais do que têm feito, reestruturar-se ainda mais e promover a procura de outros mercados para atenuar a falta de faturação» em Portugal, defendeu o presidente da APEMIP.

A menor procura de casas para vender acentuou-se com o anúncio de novas medidas de austeridade: «Nas últimas duas semanas tem sido mesmo uma tragédia», defendeu Luís Lima, explicando que a associação promoveu um estudo junto de 60 empresas e concluiu que esta quebra se regista não só nos grandes centros urbanos, mas em todo o país.

«Temos recebido sinais de alerta de colegas que dizem que os clientes estão a desistir das visitas a imóveis e, algo surpreendente, a recusar créditos já aprovados pelos bancos, numa altura em que é tão difícil conseguir crédito. A compra de uma casa é uma decisão de vida e neste momento as pessoas não conseguem assumir tranquilamente uma responsabilidade destas», adiantou Luís Lima.

Depois do primeiro-ministro ter anunciado, a 07 de setembro, um novo pacote de austeridade, com alterações à Taxa Social Única, a venda de casas caiu 50% numa semana, adiantou aquele responsável.

Fonte: Agência Financeira